Chupando o motoboy na calçada de casa

Em pleno domingo quase 2 horas da madrugada eu estava morrendo de fome então vi por um aplicativo de entrega que havia uma hamburgueria aberta então fiz meu pedido e estava esperando, mas como estava demorando muito para chegar resolvi ir tomar um banho, quando eu já estava sem roupa o interfone de casa tocou e era o motoboy com o lanche, me enrolei na toalha e fui receber o lache pois estava faminto, quando abri o portão o motoboy olhou pra mim e disse
– Caramba cheguei numa hora ruim em, desculpa pela demora é que esse foi a minha ultima entrega do dia
– Magina cara, deve estar corrido mesmo, desculpe eu de te atender assim é porque como estava demorando ia tomar um banho

Sete Sensações Anestésico

Ele abriu o mochilão me entregou o pedido, e toda vez que peço comida sempre dou alguma gorjeta para os entregadores então eu falei
– Ah só um minuto que vou pegar sua gorjeta que deixei em cima da mesa
Quando me virei abrindo o portão com uma mão e segurando o lanche com a outra a toalha não me escapa da cintura e cai no chão ?! Me abaixei rapidamente para pegar mas não consegui então corri pra dentro nu mesmo, peguei a gorjeta e quando voltei me escondendo atrás do portão o motoboy estava segurando a minha toalha
– Esta aqui a gorjeta. Dei uma risada meio tímido por conta do ocorrido.
– Não precisava. Respondeu o motoboy. Pela cena que eu vi você entrando já valeu uma gorjeta e a noite. Me respondeu rindo

– Desculpa cara, fiquei nervoso e sai correndo sem a toalha
– Que isso, mas tome, pegue a toalha. Mas o desgraçado estava encostado na moto e não se aproximava para que eu alcançar a tolha
– Teria como você se aproximar mais pra que eu possa pegar a toalha ?
– Não tem como moto esta meio caindo, se eu sair daqui ela tomba no chão.
Então tive que sair de trás do portão e me aproximar dele apenas com a mão tampando e a outra com a gorjeta, o entreguei o dinheiro e ele devolveu minha toalha assim que me virei para entrar ele me deu um tapinha na bunda e falou
– Isso aqui já valeu muito mais do que a gorjeta
– Que isso cara, como assim ?!

– Bem acho que essas horas não seria uma gorjeta que me deixaria feliz.
Quando ele terminou de dizer isso ele estava apalpando seu pau por cima da calça, olhei fixamente o volume aumentando quase arrebentando o ziper da calça, olhei para os dois lados a rua, e tudo deserto nenhuma alma por ali, então dei um sorrisinho de canto e falei já me agachando em sua frente
– Não seja por isso, só botar pra fora.
Ele colocou aquela piroca negra pra fora eu cai de boca ali mesmo, sem nenhuma roupa, de joelhos, na rua vazia, chupando aquele cara que nem conhecia, mas foi uma mamada em tanto, babei muito em seu pau até que me disse
– Já que estamos aqui, você peladinho e meu pau todo babado, não seria uma má ideia de eu comer essa sua bundinha né?
– Mas como vamos fazer isso aqui e agora?
– Apoia na moto e empina esse cuzinho pra mim vai
Fiz o que ele pediu, ele segurou firme em minha cintura e comecei a sentir aquela cabeça pulsante adentrar meu cuzinho todo apertado, foi uma delicia, até que senti seu saco encostando no meu, aquela hora toda sua piroca estava dentro de mim, então ele começou a meter em mim, cada socada era uma leve gemida baixo, afinal estávamos na rua, ele meteu muito em mim, quando estava prestes para gozar mandou eu me ajoelhar novamente e abrir a boca, foram jatos e jatos de porra na minha cara e na boca escorrendo pelo meu peito, e eu ali todo arregaçado de joelhos na calçada no meio da rua escura todo melado de porra quente do motoboy, ele guardou a pica, subiu na moto e se foi, fiquei quase 1 minuto naquela posição lembrando da sua pica sendo metida na minha bundinha, me entrei limpando toda porra do corpo e colocando na boca e engoli para sempre me lembrar do gostinho daquele motoboy que nunca mais eu posso o ver de novo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.