Iniciado por um macho lindo e carinhoso

Olá, meu nome é Carlos e este conto realmente aconteceu. Nunca havia tido experiências homo, salvo quando era pequeno com alguns troca-trocas, mas isso quase todo mundo teve né. Não sou gay e sempre tive muita sorte com mulheres. Talvez pela aparência: não me considero um cara bonitão (embora sempre tenha ouvido elogios) mas me acho muito apresentável e principalmente sempre tive bom papo. Tenho, 30 anos, 1,80m, moreno, olhos quase verdes, cabelos pretos e curtos, sou forte, peso 80 kg, e sou bem malhado. Já comi muitas mulheres na vida. De um tempo pra cá comecei a pensar em experimentar algo diferente…queria ver como

Sete Sensações Anestésico

era trepar com um macho e principalmente chupar um pau já que gostava muito de chupar uma perereca. Pensei muito e cheguei à conclusão que deveria ser algo bem longe de onde morava para não chamar atenção. Afinal de contas, bem, vcs já sabem… Comecei a viajar fazendo alguns concursos públicos pelo Brasil afora. Uma vez fiquei num hotel onde o rapaz que levou minhas malas ao quarto me olhava insistentemente. Quando dei-lhe gorjeta ele me

olhou e falou que se eu precisasse de mais alguma coisa era só falar. O jeito que ele falou isto foi bem sacana. Não fiz nada daquela vez mas no tempo que fiquei no hotel procurei de todas as formas provocar o rapaz. Acho que ele já tinha trepado com algum hóspede. Depois disso, fiquei pensando na oportunidade e decidi que da próxima vez algo iria acontecer…Não passei naquele concurso mas em outra ocasião fui prestar outro em São Paulo. Fiquei no mesmo hotel

desta vez sim pude me deliciar de prazer. Chegando ao hotel tentei ser bem discreto mas mais acessível que da outra vez e lá estava o mesmo rapaz. Levou minhas malas pra cima e qdo fui dar a gorjeta segurei de leve sua mão. Foi estranho mas eu estava decidido e tinha que demonstrar vontade. Ele me olhou e disse: se precisar de alguma coisa é só pedir tá? Eu: claro, mas olha que eu peço mesmo hein? E talvez eu peça coisas difíceis pra vc…então ele respondeu que nada pra ele ia ser difícil mas sim um enooormeee prazeeer (desse jeito) e saiu. Cara safado.

Liguei a tv e coloquei num filme de sacanagem, ficava olhando pros cacetes dos caras e fiquei com tesão, via aquelas loiras gostosas chupando aquelas picas grossas. Era estranho aquilo mas eu queria chupar tb…Fiquei imaginando num jeito de cantar aquele cara. Daí fiz assim: liguei na recepção falei que o chuveiro e a banheira não estavam funcionando e que queria que o carinha que trouxe minhas malas viesse dar uma olhada. Hotel grande sabe como é, deixei bem claro que queria aquele cara. Depois de uns vinte minutos lá estava ele, com aquela roupa de funcionário no corpo, bem apertada, mostrando que ele era bem forte. Ele entrou e eu perguntei o nome dele e ele me disse que era Wágner. Foi logo olhando o chuveiro e viu que não tinha nada. Daí olhou pra mim com aquela cara de sem vergonha. Ele é um cara muito

gostoso: 28 anos, moreno jambo, forte, tb malhado, mais baixo que eu pouca coisa (1,78m). O fato dele ser bem moreno me deixou mais a fim já que sou chegado nas morenas, negras, etc, apesar de Ter sorte com loiras. Dei uma de bobo e disse à ele que deve Ter sido engano meu mas que todo caso era bom ele estar ali e perguntei se ele malhava, o que ele disse sim e eu comentei que os braços dele eram muito fortes (mais fortes que o meu apesar dos meus braços tb serem bem trabalhados). Ele disse que malhava muito. Ele ficou a vontade na minha frente perto da cama e conversando comigo. Perguntei a ele se ele tinha a barriga sarada e ele logo já levantou a blusa pra eu ver. “Nossa, sua barriguinha é bem gostosa (o gostosa escapuliu e ele

gostou). Pedi pra passar a mão e ele deixou e gostou, passei a mão no braço tb e que braço forte. Fiz mais comentários e perguntei se ele gostava de malhar a perna e se a perna dele era durinha igual a barriga e o braço. Ele respondeu que sim e se eu quisesse poderia conferir tb. Não perdi tempo, cheguei devagarinho perto dele tentando deixá-lo com tesão, olhei pra ele e comecei a alisar e apertar suas coxas. Eram muito duras realmente. Enquanto acariciava suas pernas tive que me abaixar um pouco e pude ficar mais perto do pau dele e vi que já estava duro. Falei que elas (as pernas) eram durinhas mas que na verdade outra coisa DURA é que importava senão não adiantava nada. Já estávamos no clima. Ele disse que esta COISA que eu disse tb era dura. Eu duvidei e olhei bem pro pau dele com cara de ‘acho que não’ mas vi que o

cacete dele já estava grande; mesmo assim eu disse que o pau dele devia ser molinho e só acreditava vendo. Ele não perdeu tempo e falou: por que vc não coloca a mão? Eu disse que não colocaria a mão, mas sem nenhuma convicção. Daí ele chegou mais perto, pegou minha mão e colocou no cacete dele. A sensação foi demais. Fiquei alisando-o por cima da roupa até que falei a ele que seu pau era muito gostoso e duro. Ele olhou pra mim e perguntou se eu não queria vê-lo ao vivo e disse a ele que nunca havia pegado num caralho. Eu já estava louco de

tesão. O Wagner me olhou, passou a mão na minha bundinha e disse: por que vc não aproveita e além de pega-lo, não chupa ele também hein, pra tudo tem uma primeira vez…Pensei um pouco e vi que era naquele momento ou nunca mais (longe de casa, um cara gostoso, num hotel, ninguém me conhece) e como estava perto da cama sentei e o puxei para perto. Ele ficou em pé na minha frente. Fiquei com a boca na altura do pau dele. Comecei a desabotoar a calça dele devagar, abri o zíper. De repente saltou um cacete maravilhoso perto da minha boca, cheirava muito bem, com certeza ele era muito limpo, pensei. O pau dele tem mais ou menos

uns 17cm (um pouco menor que o meu) mas muito grosso, cheio de veias, uma cabeça gostosa e estava quase que totalmente duro. Comecei a chupá-lo devagar. Como foi bom sentir aquele pau na minha boca. Foi ficando gostoso e aproveitei para baixar as calças dele. Beijei suas pernas, chupei o pau, a barriga tirei a camisa dele. O peitoral dele é grande e lindo. Não agüentei e beijei tb os peitos, voltei pro cacete e ele começou a fazer uma vai e vem na minha boca. Daí ele me pediu pra tirar a roupa que queria comer meu cuzinho. Disse a ele que não daria de jeito nenhum e que nunca tinha dado o cu e que se quisesse, o máximo que faria era

chupá-lo e punhetá-lo até gozar (não queria dar de primeira, queria ver como era e preparar-me melhor). Ele concordou e logo gozou na minha boca. Eu não queria que gozasse na minha boca mas deixei pois fiquei com dó já que não quis dar meu cu pra ele. Conversamos depois e falei pra ele que estava doidinho pra dar meu cu mas que tinha que Ter lubrificante (e muito), e ainda camisinha, e que tinha que ser com alguém carinhoso e que não quisesse me machucar, tivesse cuidado comigo, tentei ser bem passivo naquele momento. Ele, na hora, topou me deu um beijo e disse que queria muito me comer. Aceitei mas que ele arrumasse tudo. Queria ver se

ele estava a fim mesmo…e que fosse do jeito que EU queria. Concordamos que seria pro outro dia. Dia seguinte ele me disse que não poderia por outros problemas mas pediu que eu o chupasse de novo. Ele passou umas três vezes no meu quarto e toda hora eu chupava ele até gozar. Me senti uma putinha. Quanto mais chupava aquele cacete mais queria dar. No terceiro dia combinamos para depois do trabalho dele. Ele subiu pro meu quarto escondido e tomamos um vinho. Ele estava muito gostoso e foi logo me pegando. Estávamos de frente a uma janela (15ª andar), em pé, o quarto meio escuro, som baixinho, e claridade da janela. Os raios de luz mostravam mais ainda a cor de sua pele, seus peitorais, braços, boca. Ficamos ali, nos beijando

e com minha bunda nas suas mãos, comecei a tirar a roupa dele, chupava seus peitos, lambia seus braços, pescoço, nuca, costas. Começou a tirar minha roupa, me colocou de frente pra janela e abaixando minhas calças, beijava meu bumbum muito gostoso, ao mesmo tempo carinhoso e forte. Tirou toda minha roupa e desceu suas calças. Eu estava um pouco com medo e meu pau estava meia bomba. O cacete dele estava duro, peguei-o, ele mandou que eu abaixasse para chupá-lo, obedeci-o, estava calor mas a brisa entrava pela janela. Ajoelhei e meti aquele mastro na minha boca, passei a língua na cabeça, pela glande e engoli, fiz isto muitas

vezes, passava a língua de cima em baixo, segurando suas bolas e com o pau entalado no fundo da boca. Daí, ele levantou-me e levou-me para cama. Lá ele segurou meu pau, punhetou de leve e logo foi pra minha bunda, virou-me de bumbum pra cima e começou a me morder. Segurou-a com as duas mãos e lambeu meu cusinho a vontade. Colocou um travesseiro embaixo do meu pau pra que minha bunda ficasse bem empinadinha e arrebitada pra ele. Era uma sensação diferente e muito gostosa. Eu pensava: tem um macho gostoso, com um pau grosso chupando meu rabo. Comecei a rebolar na língua dele e a gemer baixinho, aí ele disse que queria ver seu agüentava era rebolar na pica dele. Olhei pra trás e disse que ia rebolar na pica dele com muito

prazer e que ele seria meu primeiro macho e pra ele Ter cuidado com a putinha dele. Ele abriu a sua bolsa pegou um gel olla (que ele disse que é bem melhor, e é mesmo!) e começou a me massagear, enfiando um ou dois dedos no meu cú e lambuzando-me todo (deve Ter gasto uns 4 sachês). Eu já não aguentava mais. Colocou a camisinha e passou gel no pau dele tb, falou que ia doer um pouco mas ia meter com cuidado. Ele foi carinhoso, abriu meu bumbum e colocou o cacete na portinha do meu cu, eu quis desvencilhar-me mas ele me segurou com força: vem cá, não foge não que vc já é meu. Hoje eu vou te comer. Enfiou a cabeça dele. Eu sabia que o difícil

ia ser colocar a cabeça já que ela é maior que o pau dele. E realmente foi assim, passando a cabeça o resto entrou fácil. Lógico que doeu pra caramba mas estava muito gostoso e feliz pois o Wagner já metia devagarinho em mim e gemia gostoso no meu ouvido. Me senti muito bem como uma putinha preenchida por um cacete. Ainda doía um pouquinho, meu cacete amoleceu um pouco. De vez em quando ele parava e jogava mais gel por cima do pau dele mas sem tirar do meu rabo. Era bom ver o Wagner gemer. Ele cheirava bem, seu perfume era Polo Sport (sempre gostei). Fomos nos ajeitando e já não doía mais, só ardía um pouco, ele falava no ouvido baixinho que eu era dele, era a putinha dele, que ele ia me comer todo dia dali em

diante, que pro resto da vida eu ia Ter que dar pra ele, que meu cu era gostoso, que estava metendo tudo, me comendo. Eu adorava e falava que ele era meu macho e concordava com tudo. Logo fiquei de quatro, com as pernas abertas e bundinha empinada, apoiado na cabeceira da cama, a luz da janela incidia sobre nós, que visão do meu macho, suado, forte, me estocando fundo, comendo meu rabo, olhei pra baixo e vi meu cacete mole balançando e sentindo a fortaleza daquela pica enfiada no meu cu sem ele poder fazer nada. Peguei meu piuzinho e comecei a punhetá-lo pois já não agüentava de tesão, apesar dele estar meio mole. Que delícia ser de alguém, dar minha bunda, fazer outro homem gozar por mim. Pedi pra ele parar um pouco e sentar-se na cama. Ele sentou e eu sentei na pica dele e comecei a rebolar nela, com a mão pra trás na cabeça do meu macho, sentindo o peito dele nas minhas costas. Aí eu disse: não falei que ia rebolar no seu pau meu macho gostoso. Ele riu e falou que não agüentava mais

e que estava quase gozando. Pedi a ele que agüentasse mais um pouco pois queria gozar primeiro. Sendo assim, parei de rebolar, sentei com mais vontade e fiquei quieto me masturbando, sentindo aquele cacete grosso pulsar no meu rabinho. Ele percebeu, segurou meu pau e me fez gozar na mãe dele. Depois disso deitei na cama e ele iniciou um vai-e-vem bem gostoso, estocando fundo e me fudendo legal e sem dó. Até doeu de novo mas deixei já que ele estava gostando até que ele gozou violentamente. Depois disso deitamos e ficamos conversando um pouco e relaxando-nos. Tomamos um banho. Senti um sentimento estranho mas pensei: pô, estou longe de casa, ninguém me conhece e tenho certeza que muitos amigos meus já fizeram isto mas têm vergonha de contar. Além disso, o Wagner foi muito educado e me acalmou. Logo resolvi tranquilizar-me e deu vontade de dar de novo para ele. Queria dar toda hora agora, pensei. Daí enchemos a banheira e ficamos nos agarrando na cama. Chupei o pau dele que ainda estava pequeno. Cresceu na minha boca. Segurava o saco dele com carinho e pagava um boquete maravilhoso pro Wagner. Ele gemia e quanto mais gemia mais eu gostava. Arrebitei a minha bunda e fiquei ali chupando e sentindo o gostinho da porrinha dele que ainda sobrou da primeira vez. Era gostosa. Acabei chamando ele pra banheira. Lá chegando, fui logo beijando-o e mamando naquele peito gostoso. Ele segurava meu cacete com carinho e punhetava-me de leve, enfiando de vez em quando um dedo no meu rabinho fazendo eu dar gemidos. Ele me virou de quatro, por cima da água quentinha da banheira, colocou a camisinha e passou mais lubrificante em mim. Entalou o cacete sem dó, doeu um pouco mas já estava mais largo agora e me puxou pra ficar em cima dele, de costas na banheira. Fiquei ali rebolando um tempo e virei-me de frente. Sentei em cima e comecei a rebolar e beijá-lo, segurando aquele peitoral forte. Enquanto isso, ele segurava meu cacete e punhetáva com força. Não agüentava mais, então ele mandou que ficasse de quatro de novo. Obedeci e fiquei de quatro na banheira, com as pernas abertas, o cuzinho ardendo e piscando, todo arregaçado por aquele pau grosso, tentei abrir bem as pernas pois ele mandou assim e eu fui uma putinha obediente. Arrebitei meu bumbum pra ele. O Wagner parecia um animal agora, me comia sem dó, estocava fundo fazendo eu gozar de tesão e uma dorzinha gostosa. Meu cu ardia e eu me punhetava com o pau dentro da água, sentindo o volume do Wagner dentro de mim. Pedia pra ele não Ter dó, me comer mesmo. Ele estava muito gostoso, com minha mão pra trás pegava nos peitos dele, passava a mão nas suas pernas, sentia aquele macho tesudo e saboroso me fudendo. Ele metia e me chamava de putinha, de gostosa, eu adorava. Não aguentei e gozei. O Wagner tirou o pau de mim e tb a camisinha e me deu pra chupa-lo. Chupei e logo gozou na minha boca, no meu rosto. Tentei não perder uma gota do meu homem. Engoli tudo e limpei o cacete com minha língua, com muito carinho. Estava agradecido por ser meu primeiro homem e Ter me tratado tão bem. Transamos outras vezes. Ainda nos encontramos de vez em quando mas moro em BH e ele em SP. Ele é muito gostoso. Foi o único que me comeu até agora. Continuo trepando com garotas e meu tesão até aumentou. Não me acho gay. Gosto de fuder uma gatinha. Agora penso em dar de novo meu rabinho pra alguém mas tem que ser discreto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.