Levando surra de rolas no banheirão

Um saída necessária e despretensiosa que resultou na melhor experiência de banheirão que eu já tive.
No início da semana passada, meu notebook pessoal ficou em “tela azul”, e pra não ficar usando o meu profissional pra baixar séries essas coisas, resolvi levar logo em uma assistência.
Foi na quarta-feira. Liguei para o local onde faço esses serviços sempre, e eles estavam atendendo normalmente.
O único lado ruim, é que a assistência que confio fica em um centro comercial um pouco distante da minha casa. Na verdade são as linhas de ônibus que não colaboram pra um acesso melhor. Mas resolvi ir mesmo assim.
Chegando lá, um atendente analisou, falei que já tinha acontecido uma vez a algum tempo e que eu tinha resolvido lá mesmo.

Sete Sensações Anestésico

Era cerca de 14 horas, e ele me informou que por volta das 16:30/17h já estaria pronto.
Pra não ter que ir em casa e depois ter voltar de novo, resolvi esperar por lá mesmo. Até porque teria que voltar de uber pra casa, não dava pra ficar gastando muito com passagem.
Circulei pelo lugar, tem várias coisas: lojas, quiosques, supermercado, praça de alimentação, até que encontrei um banco meio isolado, e resolvi ficar por lá.
Nem tinha reparado, mas o banco ficava quase em frente ao banheiro masculino. E até então eu nem imaginando que podia rolar algo ali.

Fiz um lanche rápido e, antes de voltar “pro meu banquinho”, resolvi ir ao banheiro.
Entrei em um reservado e a única movimentação que tinha era do rapaz da limpeza repondo o papel toalha, e um cara no mictório.
Demorei um pouco pra sair e quando vou lavar as mãos vejo que o cara do mictório ainda estava lá no mesmo lugar.
Fiquei olhando disfarçadamente pelo espelho, até que ele me olhou e mostrou o que estava fazendo.

O macho deveria ter uns 30 anos, era meio parrudo, baixo, moreno e estava com o pau de uns 16cm durasso se masturbando.
Não pensei duas vezes, fui lá dar aquela mãozinha.
O pau era quente e bem bonito, as bolas redondinhas estavam pra fora da calça que ele usava.
Sem ninguém entrar no banheiro, o cara puxou a minha cabeça com tudo e me botou pra abocanhar aquele cacete doido pra gozar.

Caí de boca sentindo o gosto da rola, sugando com vontade. Massageava as bolas dele dando umas leves lambidas e ele fazia movimentos “fudendo” a minha boca.
Ficamos nisso uns 5 minutos até que ele se afastou e começou a bater uma punheta bem forte. “Tô quase pra gozar” ele falou.
Nisso ouvimos o barulho da porta abrindo e, no susto, voltamos pro lugar fingindo que estávamos mijando.
Quem entrou foi um novinho, moreno, magrinho meio forte, com roupa de academia. Devia ter uns 19 anos.

Ele já entrou desconfiado olhando pra gente, e eu encarei de volta.
Ele começou a apertar a rola por cima do shorts de academia e veio em minha direção.
Peguei no volume dele e ele começou a apertar minha bunda pela bermuda, o parrudo a se aproximou e me puxou pra dar mais uma mamada.
O novinho colocou o pau meia bomba pra fora e eu comecei a pegar naquele porrete de carne.
Ele parecia estar nervoso e acho que isso contribui pra que o pau não ficasse 100% ereto.
Quando comecei a abocanhar pra deixar o pau dele duro, ele tirou o pau da minha boca e saiu rápido, deixando só eu e o parrudinho lá.
“Bate uma pra mim logo” o parrudo falou. O cara estava doido pra gozar e eu não ia deixar ele na mão.
Dei mais umas mamadas, masturbei ele massageando bem as bolas e ele gozou gostoso no mictório. Pensei em cair de boca mas estava com medo de me sujar, foi muita porra que saiu.
O cara guardou o pau e saiu sem dizer nada, eu dei um tempo no reservado e saí pra me sentar.
Perto do banheiro ficam alguns quiosques, mas até que pouco movimentados. Eu resolvi ficar no mesmo banco pois aquela mamada só me atiçou.
Passou um tempo, entrou alguns caras que não me chamaram a atenção, o cara da limpeza entrava vez ou outra, até que um malhado desses com roupa de academia entrou e mais dois entraram logo atrás dele: um grandão todo de preto e outro cara meio bombado pinta de segurança.
Fiquei excitado imaginando que ia rolar uma putaria das boas lá dentro e não me contive. Esperei um pouco e entrei.
Fui em um reservado fingindo que não queria nada e percebi que os três caras estavam no mictório.
Quando saí o malhado ficou me olhando. Era um cara bonito, boa pinta, e vendo meu olhar safado, chamou os outros dois caras que já estavam de pau duro e começou a mamar ali mesmo. O altão tinha uma pica grande e reta, que o malhado engolia com maestria.
O puto boqueteiro me olhou segurando a pica do outro cara e me chamou com a cabeça pra eu me juntar a eles.
Já cheguei pegando na rola do bombado, que era bem bonito também, não era muito grande mas estava bem duro, e tinha um cheirão de macho muito bom.
Comecei a abocanhar gostoso e senti uma mão puxando a minha cabeça, era o altão querendo a minha mamada também.
Fiquei chupando as duas rolas enquanto o malhado se levantou e colocou o pau pra fora também.
Fiquei louco, um pau branquinho meio piramidal, e também estava duro feito pedra.
Ele começou a beijar o altão enquanto se masturbava, fazendo o pau dele ficar bem próximo ao meu rosto.
Não resisti e caí de boca nele também, fazendo ele gemer.
Com os três paus na minha cara, eu fui revezando engolindo de um por um, uma das sensações mais gostosas que já senti.
As diferentes texturas, os cheiros de pica passando na minha cara, e eu ali com aquele banquete de rola me deliciando.
Vez ou outra entrava alguém e a gente precisava disfarçar. Mas ficamos nessa brincadeira por um bom tempo.
Com o movimento ficando mais tranquilo, me abaixei pra mamar mais um pouco o grandão porque o pau dele era o mais gostoso de chupar.
Nisso senti o malhado abaixando a minha bermuda (que era dessas de elástico) e começando a sarrar a rola dele no meu cuzinho.
Ele me olhava com uma cara de safado e eu, com o olhar, permiti ele se divertir na minha raba.
O bombado veio e começou a mamar o altão junto comigo e, sem avisar, o cara gozou muito. O bombado engoliu a maior parte da porra e depois cuspiu no mictório.
“Isso delícia” o malhado falou vendo o safado gozando, enquanto a cabecinha da rola dele já estava na porta do meu cu.
O bombado começou a se masturbar bem forte e o malhado foi lá e fez o cara gozar só na mamada. Enquanto isso ele se masturbava e acabou gozando também.
“Vai gozar não?” ele me perguntou com cara de safado.
“Ainda não” eu disse rindo.
Ele riu e me deu um beijo com gostinho de porra. O cara além de lindo era um putão.
Os três saíram juntos, deviam ser conhecidos, ou já estavam de esquema marcado.
Fui lavar meu rosto pois já estava passando da hora de pegar o notebook, até que acontece o inesperado: entra no banheiro um coroa de uns 50 anos, forte, de calça social e pólo, de barba e levemente grisalho. Meu tipo de homem.
Ele não fez nada suspeito, mas eu não ia sair dali sem tentar alguma coisa com aquele macho.
Enquanto eu lavava o rosto, ele começou a lavar as mãos, pegou papel para secar até que, pelo espelho, a gente começou a se encarar.
O volume na calça dele começou a ficar em evidência, e quando um cara que estava em uma das cabines saiu, ele me chamou pro último reservado.
Entramos e ele sorriu pra mim até com uma certa doçura. Mandou eu sentar no vaso com as pernas pra cima e colocou o cacete pra fora.
Nossa, o típico cacetão de um macho maduro, torto pro lado, grosso, cabeçudo, as veias saltadas bem forte e muito pré gozo na cabeça. Ele também estava com esses anéis penianos que eu acho um tesão.
Saboreei como se fosse a iguaria mais cara do mundo e ele pegava na minha cabeça com força fazendo ir até o fundo da minha garganta.
Ficamos nessa brincadeira por um tempo, ouvimos o barulho de gente entrando, mas ninguém percebeu nossa sacanagem.
Ele segurou pelos meus cabelos e começou a socar forte, aproveitando que aparentemente o banheiro estava vazio de novo.
E nessa ele não resistiu, encheu minha boca com seu leite de macho fazendo eu engasgar me lambuzando todinho. O cara era um puto dominador mesmo.
“Eu vou sair primeiro depois você sai” ele falou guardando o pau.
No tempo que fiquei lá só conseguia pensar na loucura que tinha sido aquela tarde provando os mais diferentes tipos de macho e de rola.
Peguei meu notebook, e antes de ir embora ainda dei uma passada no banheiro de novo, mas já estava sem movimento mesmo.
Voltei pra casa e marquei com um cara no grindr pra gozar depois de um dia tão excitante 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.