Mamando o uber casado

Me chamo Rodrigo, tenho 23 anos, sou versátil, mas prefiro ser passivo, moro em Fortaleza/CE, 1,72 de altura e 85 kg, tenho pernas grossas, e um bumbum grande.
O que eu vou contar aconteceu há dois domingos atrás.
Depois de meses em casa, devido a pandemia, eu me permiti sair com mais 3 amigos para um bar super conhecido aqui em Fortaleza no bairro Benfica, marcamos de nos encontrar lá.
Nem passava na minha cabeça a possibilidade disso acontecer.
Pedi meu uber e logo a corrida foi aceita.
Diego era o nome do motorista. Pela foto não achei nada demais, mas nos comentários vi alguns elogios a beleza e educação.
Entrei no carro e sentei no banco da frente. Ele realmente era bem melhor pessoalmente. Branco, olho castanho claro, com uma barba rala, estava de máscara branca e uma aliança na mão esquerda.

Sete Sensações Anestésico

Assim que sentei ele disse:
– Se quiser, pode puxar o banco mais pra trás um pouco.
Eu sorri, agradeci e afastei o banco.
Fomos falando amenidades até eu dizer que era a primeira vez que saia para curtir desde o começo da pandemia e que estava morrendo de saudades de tomar uma gelada e paquerar uns boys.
Ele sorriu e disse que também não vê a hora de tudo normalizar e me perguntou:
– Você aprontava muito antes da pandemia?

– Que nada, eu sou muito preguisoço pra sair, é só casa trabalho e pronto. Respondi sendo bem sincero na verdade.
– Sério? E você não namora e nem sai pra curtir?
– As vezes eu saio sim. E não namoro, há uns 10 meses tô solteiro.
– Tô ligado. Minha vizinha separou do esposo na pandemia, eu quase me separei da minha também. Comecei a rir.
Ele pediu para parar no posto e abastecer o gás, topei já que não estava com pressa.
Tivemos que descer do carro e quando olhei pra ele, vi ele me encarando, eu retribuí o olhar, sorri e voltamos pro carro.

Conversamos sobre mais alguns assuntos, mas desde que voltamos pro carro comecei a reparar que o volume estava maior do que antes e quando ele ia passar a marcha ele dava uma ajeitada na mala.
Assim que chegamos ao lado do shopping Benfica eu olhei pro pau dele e tava muito duro e ele ficava pulsando, me provocando.
Fiquei louco, olhava pra ele e pro pau, ele não me encarava, mas eu não tinha corragem de avançar, até que ele disse:

– Pode pegar, não precisa ficar só olhando.
Nossa, nessa hora fiquei fora de mim, já fui apertando o pau por cima da calça e disse pra ele que queria mamar.
Ele começou a rir e disse qua daria certo. Ele parou o carro ao lado de uma praça que estava com pouco movimento.
Eu já fui abrindo a calça dele e botando o pau pra fora. Não era grande, uns 15/16 cm mais ou menos, mas grossinho com a cabeça coberta pela pelizinha. Uma delícia.
Comecei a chupar ele com vontade. Passava a lingua na cabeça, chupava as bolas, lambia da base até em cima e descia de novo, botava os ovos dele na boca. Ele só gemia. Eu alisei bastante as coxas dele, beijei a barriga e fazia muita garganta profunda (amo).
De vez em quando ele dizia:
– Não levanta agora tá passando gente. E eu ficava com o pau enterrado na garganta.
Comecei a chupar mais rápido, coloquei a mão em cima da mão dele e senti a aliança, nossa minha tara naquele pau triplicou, chupei com mais força e fazia questão de alisar o dedo com a aliança.
– Safado. Eu vou gozar. Ele disse ofegante e gemendo.
– Goza na minha boca vai, me dá leitinho. Eu pedi com voz de puta.
– Caralho, vai, tô gozando. Foram uns 5 jatos de porra grossa, bem quente e salgadinha, engoli com gosto. Uma delícia.
Quando eu me sentei no banco, ele desceu a máscara dele com um sorriso lindo e me puxou pra um beijo. Não esperava, mas adorei.
Começou tímido, mas foi melhorando.
– Porra, tu chupa muito bem. Tu é o terceiro que eu deixo chupar.
– Mas você não deixou né? Você pediu! Falei brincado e começamos a rir.
Ele fez um retorno para me deixar na frente do bar e quando fui tirar a carteira do bolso ele disse:
– Ei tá doido? Já tá paga a corrida.
– Posso pegar teu número? Perguntei sorrindo.
– Melhor não. Ele ficou tímido. Eu sorri e disse que tudo bem.
Antes de descer ele me deu outro beijo.
– Bom barzinho aí, aproveita.
– Já tô aproveitando. Disse sorrindo e desci do carro.
Desculpa ter ficado longo, mas não sei contar as coisas pela metade.
Espero que tenham gostado!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.