Meu Padastro foi Punido com Leite

Olá, meu nome é Breno, tenho 1,80 e amo um rabinho peludo de macho, hoje vou contar o episódio que passei com meu padrasto.

Sete Sensações Anestésico

Meu padastro é já o segundo marido da minha mãe depois da que ela se separou do meu pai, se chama Manuel, me dava bem com ele mas não tínhamos muito diálogo, ele é um cara já de 42 anos, barbado e grosseirão, trabalha com obras, instalação de tubulações, é formado em engenharia civil.

Certo dia, era uma sexta feira e minha mãe e o Manuel saíram para ir no shopping juntos, era feriado e todo mundo estava em casa (depois que meus pais se separaram fiquei morando com minha mãe), eu disse que tudo bem, iria ficar em casa vendo alguns filmes e estudando. Já passadas algumas horas ouço barulho de alguém chegando em casa e desço as escadas para ver quem era.

– Quem está aí?

– Sou eu Breno, voltei para casa e deixei sua mãe lá no shopping com umas amigas, vim descansar um pouco e aproveitar o resto desse feriado.

– Beleza, vou estar lá em cima, ok?

Deixei o Manuel lá em baixo sozinho na sala e voltei para meu quarto, era estranho nós dois sozinhos em casa porque isso nunca aconteceu e quando minha mãe não estava ele ia para casa dele; estava quase terminando meus trabalhos do colégio já. Passadas duas horas guardei meu notebook e decidi descer e ver o que Manuel estava fazendo, estranhei minha mãe não ter chegado ainda. Fui para a sala e não vejo ninguém então vou até o banheiro que ficava no fundo, a porta estava meio aberta e a calça do meu padastro estava na cesta de roupas sujas, pensei que ele pudesse estar na piscina mas quando coloco a cabeça na fresta da porta vejo Manuel tocando uma punheta com a cueca no joelho e um plug dentro da sua bunda. Fiquei em silêncio por uns dois minutos perplexo olhando aquela cena, nunca imaginei um machão daquele nessa situação, meu pau começou a querer pular para fora da calça já dando alguns sinais então decidi que iria tirar vantagem da situação e por esse puto no lugar dele. Meti o pé na porta e disse:

– Que palhaçada é essa aqui Manuel?

Ele arregalou os olhos e começou a pedir desculpas.

– Cadê minha mãe?

– Ela ligou dizendo que ia ficar até tarde na casa das colegas dela.

– E você aproveitou e decidiu fazer da nossa casa lugar para suas baixaria?

– Desculpa cara, eu já vou indo embora, pensei que estava dormindo.

Ele começou a levantar e antes que subisse a cueca eu falei:

– Não, agora você vai ficar, voce não gosta de baixaria?

Sentei ele no vaso, me posicionei na frente dele e botei minha jeba para fora dura, ele assustou e perguntou o que era isso.

– Agora você vai aprender que aqui nessa casa sou eu que mando.

Soquei minha pika na boca dele, ele no começo deu umas engasgadas mas depois de um minuto já estava mamando igual um bezerro. Bombava naquela boca freneticamente até a garganta dele, chegava a engolir minhas bolas. O puto ainda de pau duro e se tocando começou a gozar em jatos potentes que me sujou inteiro.

Depois dele gozar e já fuder aquela boca por uns 10 minutos nao estava aguentando mais, tirei a pika da boca dele toda babada e com a barba toda bagunçada,pedi para abrir a boca e mandei toda minha carga, forcei ele a tomar tudo, então afundei minha rola na garganta dele mais uma vez para garantir que ele engolisse tudo.

Depois de gozar mandei ele pegar as coisas dele e ir para casa, alguns meses depois ele e minha mãe se separaram e nunca mais ouvi falar do Manuel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.