No Banho com meu Primo e Seu Amigo

Com o sexo anal, meu primo e eu estávamos explorando bastante nossa sexualidade: ele se mostrando um belo macho socador e eu me revelando uma fonte de muito prazer para os homens. Transamos várias vezes nas oportunidades que apareciam, principalmente à noite quando ele deitava em cima de mim e transava na posição Dois Dragões. No penúltimo dia de férias, minha tia teria que levar meu o primo ao médico junto com meu tio e, nesse dia, meu primo de 18 anos teve que ir até a casa do colega dele para devolver o dvd: minha tia era quem fiscalizava diariamente a mochila dele e não poderia levar o filme para a escola. Por curiosidade, fui junto com ele. Quando cheguei lá, vi um rapaz bem interessante: um negro, alto e já com alguma barbicha saindo no rosto. Ele acabara de completar 20 anos e era aquele tipo bem safado – percebi pela conversa inicial. Fomos para o quarto dele e ele já me perguntou, com uma leve intimidade já instaurada entre nós:
_ Seu primo me disse que você adorou o dvd. Fiquei sabendo até que se divertiram juntos…
Fiquei gelado de pânico: meu primo havia contado a ele sobre nossa putaria às noites em sua casa. Não fiquei nervoso, pois vi uma prazerosa vantagem nisso. Pelo contrário, aproveitei para apimentar as coi-sas:

Sete Sensações Anestésico

_ É, eu gostei bastante. O problema que ele tem um pinto pequeno ainda.
_ Eu!? Você está me tirando, véio? Bem que você gostou…
_ Tem sim. O pau dele não é aquilo tudo que ele falou.
A conversa ficou muito excitante, até o colega dele sugerir um passeio:
_ Olha, meu tio viajou com a família dele para a praia e deixou a chave da casa dele conosco. Minha mãe foi ao cabelereiro e eu tenho que ir lá para ver se está tudo como ele deixou. Vamos lá comigo?

Topamos na mesma hora. Fomos trocando piadas e contando várias histórias de putaria. Depois de meia hora de caminhada, chegamos no endereço. Era uma casa bem arrumada e com os muros altos, que dava a privacidade ideal que precisava. Chegando na sala, meu primo pediu para tomar um copo d’água e foi até a cozinha, enquanto o rapaz ficou na sala comigo. Quando meu primo voltou, ele disse que iria tomar um banho. Fiquei conversando com meu primo, mas esperei o barulho do chuveiro ligado e depois ter um motivo para ir ao banheiro dar uma olhada naquele negão gostoso. Com a porta do banheiro aberta, pedi licença e entrei com o pretexto de usar o vaso e ele deixou. Ele já estava todo ensaboado e com a vara dura, provavelmente começava a bater uma punheta. Era uma rola bem grossa, parecia uma linguiça

toscana e tinha uns 16cm. Cheguei, levantei a tampa do vaso e comecei a mijar, até ele me convidou para entrar no box também. Louco para dar para ele, tirei minha roupa e entrei. Ele puxou a pele para trás, expondo a glande enorme e fui sem frescura para cima dele. Ajoelhei e abocanhei aquela piroca dura feito um pepino e comecei a deslizar seu membro até o limite da minha garganta e voltando. Peguei o sabonete e passei um pouco no rego para facilitar a penetração, me virei e abri minha bunda, mostrando meu orifício todo ensaboado para ele começar a me deflorar. Ele agarrou minha cintura e ajeitou a cabeça da rola na minha portinha e foi empurrando até ela desaparecer: que delícia! Ficamos grudados alí, deixando a água cair

para refrescar aquele clima quente que rolava naquele banheiro. Estava apoiado com as mãos na parede com aquele negão segurando meu ombro e esfolando meu rabinho com aquele cacete duro e delicioso entrando e saindo com vontade. Meu primo chegou no banheiro e nos pegou no flagra. Excitado com nossa transa, ele tirou sua roupa também e entrou no box. Eu me abaixei, arregacei a cabeça do pênis dele e comecei a chupar. Parecia uma puta satisfazendo aqueles dois rapazes loucos para gozar. Eles gemiam de prazer, explorando meu corpo como um objeto de prazer. Aquele macho abraçou minha cintura e chegou ao orgasmo com sua pica cravada até as bolas no meu ânus, gozou feito um cavalo cruzando com a égua no cio. Então, ele tirou seu pau para fora e então eu troquei de homem: virei de costas para meu primo, posicionei a rola dele para me penetrar e passei a explorar o novato. Meu primo já estava no

vai-e-vem maravilhoso, fazendo minha próstata vibrar com a força das estocadas enquanto eu chupava os mamilos e beijava a barriga do outro parceiro, fazendo endurecer aquele membro novamente. Ficamos naquele banho coletivo um tempão, até meu primo esguichar todo seu sêmen no meu cu. Estava muito realizado: não era comum para mim fazer sexo anal com dois machos. Aos poucos nos recompomos do êxtase provocado pelo orgasmo e terminamos de nos banhar. Fomos para a sala afim de passar o tempo, enquanto o rapaz cumpria os afazeres na casa. Antes de ir embora, transamos de novo, desta vez na sala mesmo: eles fizeram de mim um sanduiche, comigo deitado sobre meu primo e o outro de 4 agarrado na minha cintura,

revezando no meu cuzinho. Fiz os dois ejacularem na minha bunda quase ao mesmo tempo, foi uma putaria muito prazerosa na-quele dia. Depois de nos limparmos, fomos para casa, esperando uma próxima aventura. Hoje em dia, não abro mão da camisinha, mas curto muito um sexo a três ou a quatro. Quem tiver afim, podemos marcar um encontro bem gostoso qualquer dia. Beijos e até o próximo conto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.