O cara do estacionamento

Sou gordinho, barbudo, peludo tipo urso. Sou casado com mulher, mas ela nem sonha que gosto de levar rola.
Bom, trabalho em uma empresa no centro de Porto Alegre. Bem na frente tem um estacionamento e sempre que eu vou fumar na frente da empresa, encontro o Marcelo. Marcelo é alto, Moreno, fortinho e sempre puxa papo comigo.
Começamos a conversar direto. Um dia, estava no horário de almoço e ele me chamou. Fui até a sala dele e ficamos conversando, aproveitando o ar condicionado.


Papo vai, papo vem, notei um belo volume na bermuda dele. Parecia ser grande e gostoso. Mas fiz de tudo pra não dar pinta. Mas acho que não consegui, pois sempre que desviava o olhar pro pau dele, ele fazia questão de mexer nele.
Agora, sempre que sobrava um tempo do horário de almoço, eu ia lá.
Na semana passada, aconteceu.

Aquele dia não estava com fome, então não almocei. Fui fumar um cigarro e ele me viu e já me chamou. Entrei na sala e agora tinham colocado insulfilm nas janelas. Ele me pediu pra sentar e eu fiz isso. Ele apagou a luz e ligou a TV. Ele estava com uma bermuda de moletom que marcava bem o pau e a bela bunda que ele tem. Ficou um pouco de pé na minha frente, me olhou e sentou ao meu lado. Ficamos os dois sentados olhando TV. Ele se levantou dizendo que ia mijar e já voltava. Ele entrou no banheiro sem fechar a porta e tirou o cacete pra fora e começou a mijar. Eu me perdi e fiquei olhando fixamente pra rola dele. Quando terminou, veio até o sofá com aquele pau lindo, rosado e cheio de veias balançando. Parou na minha frente e eu me entreguei. Sem dizer nada, coloquei a mão no pau dele e comecei a masturbar sem desviar o olhar daquele pau. Ele foi ficando duro na minha mão, é eu segui batendo uma pra ele. Ele então pegou meu queixo com a mão e fez olhar pra cima. Olhando nos meus olhos, disse “chupa, Lipe”.

E eu obedeci a ordem. Comecei passando a língua na cabeça, depois desci pelo pau até as bolas. Voltei lambendo e caí de boca. O pau era grandinho, grosso, a cabeça bem rosinha e estava com cheiro de macho. Eu enlouqueci e fiquei chupando, babando, lambendo e dando mordidinhas naquela rola. Eu descia até as bolas e voltava , lambia a cabeça e enfiava tudo na boca. Ele gemia e me fazia carinho nos cabelos.
Ele então sentou no sofá e eu me ajoelhei na frente dele. Continuei chupando por um tempo, até que entrou um carro no estacionamento. Ele levantou, colocou a bermuda e a camiseta e foi atender. Levou uns 5 minutos pra voltar e eu esperava ansioso pela rola do meu macho. Quando voltou, trancou a porta e já tirou novamente a bermuda. Sentou no sofá e mandou eu chupar ele de 4 em cima do sofá. Fiz isso e ele enfiou a mão dentro da minha calça e começou a forçar um dedo no meu cu. Nesse momento eu dei uma gemida alta e ele pediu pra me comer. Virei de costas pra ele, de 4 no sofa e ele lambeu meu cu e começou a forçar. Quando a cabeça entrou, eu comecei a rebolar no pau dele. Ficou algumas minutos me comendo, depois tirou e eu me virei de frente pra ele. Ajoelhado, pedi porra na cara e ele atendeu meu pedido. Gozou bastante e ainda deu uma esfregada com aquela rola gostosa na minha cara. Me levantei e fui até o banheiro me limpar. Quando voltei, percebi que estava quase na hora de voltar. Ele pediu que me sentasse no sofá de novo. Sentei ao seu lado e ele me beijou. Ficamos uns minutos assim e tive que voltar ao trabalho.
Agora, toda semana vou ali pra transar com ele no horario do almoço. E até já saímos pra alguns motéis depois do trabalho, mas isso conto outra hora.

One Reply to “O cara do estacionamento”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.