O pedreiro me comeu em casa

Sempre tive um libido alto, mas nós últimos meses estava mais forte depois de ter terminar um namorado de 2 anos com minha ex-namorada.

Sete Sensações Anestésico

Pois bem, me chamo Fábio, tenho 34 anos, branco, de 1,70 de altura, corpo recém malhado da academia. Era dezembro de 2020, fazia 3 meses que tinha terminado o meu namoro com minha ex. Segui em frente, mas não fazia sexo e isso estava me deixando doido.

Em casa, comecei uma obra do banheiro, apenas para mudar o vazo, espelho e umas lajotas que precisavam trocar. Então perguntei de um amigo próximo se ele não sabia de alguém e ele me indicou um pedreiro. Ele se chamava Fernando, moreno, 1,75 de altura, 24 anos, magro, mas com um corpo em forma. Ele era muito atraente.

No primeiro dia que vi Fernando, senti que ele era um cara legal. Ele veio até minha casa numa tarde de sexta, e vestia um short e uma blusa regata, mas estava cheiroso…Avisei ele sobre como queria as coisas no banheiro e também conversamos um pouco sobre nossas vidas.

No outro dia, no sábado, ele veio de manhã e disse que poderia ficar até às 17h. Chegando, fui atendê-lo de toalha pois tinha saído do banho. Quando abri a porta ele me olhou da cabeça aos pés, mas não desconfiei de nada.
Ficou o dia em casa. Ele fez o trabalho durante a manhã, e depois almoçou e de tarde disse pra ele que poderia descansar no sofá. Estava muito quente nesse dia e via que ele estava suando. Disse para ele deitar no sofá, mas como estava calor, mesmo com ventilador, falei que se ele quisesse, poderia tirar a camisa e ficar à vontade.

Foi quando nesse momento que ele tirou a camisa, o cheiro de homem, o corpo e a forma como ele abriu os braços mostrando os sovacos ralos de pelos, me deixaram com uma sensação incontrolavelmente gostosa. Nisso, reagi excitado diretamente com meu pau, que ficou duro dentro da cueca. Fiquei desconcertado com a postura e fiquei observando ele deitado, de longe, no meu sofá, com os braços pra cima, colocando a camisa em cima do rosto com uma das mãos. Nesse momento, meu pau já estava babando e fui para meu quarto tremendo, e aquela cena não saia da minha cabeça: um cara sem camisa, bonito e atraente, deitado no meu sofá e eu sem fazer sexo a meses. Aquilo me levou a loucura e logo bati uma punheta no quarto sem pensar duas vezes.

Me senti estranho, porque no máximo, fiz um troca-troca quando era adolescente com meus primos, mas nunca tinha feito mais nada com nenhum cara até então.

À tarde, Fernando voltou ao trabalho e ajudei ele com algumas coisas na obra. Como estava calor, em um momento falei que ele podia continuar sem a camisa (ele já estava suado e aquele cheiro de macho me penetrava pelo nariz que me fazia delirar). Trabalhando sem camisa, várias vezes sentia meu corpo tremer, meu coração bater forte e meu pau babar pela cueca. Era algo surreal e fora do comum.

Terminando o serviço, Fernando disse que queria tomar um banho e perguntei se depois ele não queria beber umas cervejas, afinal era sexta-feira. Ele topou e depois do banho, fomos pra sala. Fiquei sem camisa, a fim dele se sentir mais à vontade também, pra ele continuar mostrando aquele corpo moreno na minha frente. Bebemos no sofá por mais de 1hora, e cada vez mais, ficava mais louco de desejo, quase sem explicação, percebendo o quanto era gostoso ver ele falar e levantar os braços coçando a cabeça e mostrando as axilas. Fui ao banheiro, porque estava ficando porre, mas com muita vontade de urinar. Fechei a porta e toquei meu pau, que já estava duro e melado, nesse momento, fui batendo uma e fiquei por 2 minutos nessa sensação, quando ouço ele bater na porta do banheiro dizendo que queria também fazer xixi.

Subi meu short, abri a porta e ele olhou pra mim, passando rapidamente, entrando e indo direto para o vazo. Ele foi rápido e colocou seu pau pra fora da bermuda. Fiquei em choque quando vi seu pau mole, mas grosso e suculento, tirando a urina e mostrando uma expressão de prazer. O cheiro e aquela sensação me deixou desconectado, que sai correndo pela porta e fui beber uma água. Nisso, passou 3 minutos e estranhei que ele demorava no banheiro. A porta ainda continuava aberta e entrei, foi quando vi que ele estava sentado no vaso, socando seu pau. Ele me viu e disse pra me aproximar. Fernando então diz: “saquei que você não parava de olhar pra mim, vi você com tesão, seu pau tá duro faz mó tempão, e eu tô morrendo de tesão também depois dessas latinhas de cerveja”.

Nesse momento, o tesão já estava alto e fui diretamente pra perto dele. Ele pediu pra por a boca, e fiz o que ele ordenou. Só tinha chupado meus primos quando era jovem, mas aquela sensação de colocar aquele pauzão grosso e preto na boca me deixou completamente doido. Sentia o cheiro gostoso da sua virilha, e lambia como se fosse a coisa mais saborosa do mundo. Ele gemia e tremia os pés de tesão colocando sua mão em minha cabeça.

Fomos pra sala e continuei mamando ele ajoelhado, enquanto ele tirava sua bermuda. Então ele sentou, e mamei olhando pra ele. Meu corpo tremia, mas o tesão era forte que meu pau babava. Ele me colocou de quatro e foi tirando minha bermuda, abriu minha bunda e senti sua língua melada entrando no meu ânus. Nunca tinha recebido um cunete até então, e meu cu a essa hora piscava sem parar com sua boca e língua no meu buraco. Ele tirou uma camisinha da bermuda, e disse que ia enfiar devagar porque disse que meu cu estava apertado. Quando ia enfiando devagar, a sensação foi de dor e prazer ao mesmo, que logo depois se tornou uma explosão de prazer incontrolável. Ele socava forte e depois suave e segurava minha cintura, e levantava minha bunda com seu cacete grosso.

Gemia de prazer. Então ele me virou, me colocou deitado de frente para ele, com as minhas pernas nos seus ombros e socou sua rola mais devagar dentro de mim. Sentia todo seu pau entrando e saindo, e ao mesmo tempo o prazer me deixava melado no pau. Ele me punhetava e ao mesmo tempo chapava meus mamilos, me fazendo delirar ainda mais. Já estava quase explodindo pra gozar e não aguentando mais seu cacete, e então ele tira e fala que vai gozar. Sua porra vai todo em meu peito e chega até minha boca, fazendo em sentir sua porra quente e doce na minha língua. Nesse momento, quase na hora de eu gozar, ele bota sua boca no meu pau e me chupa, fazendo eu liberar todo meu leite em sua cara.

Paramos por alguns segundos, respirando forte e cansados. Fernando diz que precisa tomar um banho e digo que tudo bem. E eu ainda deitado e sem conseguir pensar direito sobre o que tinha rolado naquele sofá. Acabou sendo um dos melhores sexos da minha vida!

Essa história aconteceu ano passado, mas conseguimos transar por mais uma vezes em casa. Hoje, ele está viajando, mas já retornou dizendo que ainda me espera pra mais uma ousadia como essa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.