O primeiro troca-troca

Bom amigos , com este conto encerro essa série, em momento nenhum destes eu insinuei ou disse que eles iriam se tornar um casal para sempre ou se tornarem isso ou aquilo, eram dois meninos que despertaram para suas sexualidades juntos e se divertindo um com o outro, como a grande maioria dos homens que um dia já fizeram troca a troca, e nem por isso se mantiveram homossexuais ou bissexuais na sua fase adulta, tendo essas experiências marcadas na sua curva de aprendizado , podendo dizer assim. Me cobraram num dos contos para não deixar o protagonista ser um escroto, desculpe se não irei agradar você, mais ele é um garoto que curte gozar e aprendeu o preço a ser pago e fez as suas escolhas e avançou nas sua curva de aprendizado, nunca beijou ou acariciou o outro, so queria gozar e assim o fazia.

Vamos ao ultimo episódio:

O tempo desde o encontro com o Márcio ia se passando sem que nos conseguissemos fazer algo juntos, inclusive pq agora eu tinha agora o Fernando, que sempre arrumava um pretexto para vir espontaneamente me procurar e querer ser passivo para mim sem cobrar algo em troca. o que para mim era o maximo, e me contava os progressos que fazia com o seu amigo , mais que apesar de já conseguir penetrar e ser penetrado pelo Felipe, ele curtia ser penetrado por mim, dizendo que o do Felipe não causava a mesma sensação que eu causava. e claramente eu estava me acostumando devido a esse fato em ser somente ativo e gostava de assim o ser, o preço de ter prazer com o Márcio já me incomodava um pouco, pois tinha o mesmo prazer com o Fernando sem ter de me submeter a nada em troca.

Nesse mesmo tempo se mudara para uma casa perto da nossa uma família com uma menina linda, cerca de um ano mais nova do que eu, e que por coincidências do destino fora estudar no mesmo colégio que eu, fazendo que nos aproximássemos e passássemos a esperar um ao outro no ir e voltar desta, nos fazendo companhia e estreitando o laço de amizade, e algo ali me mexia por dentro.

Até que um dia enquanto tinha o Fernando de joelhos na minha frente , me chupando como costumava habitualmente me chupar , eu comecei a passar a mão na cabeça dele e chamei ele, pelo nome dela , ele não se importou naquele momento fazendo seu papel direitinho, e engolindo o meu leite que tanto gostava, Ao terminar ele olhou para mim e disse, não sou menina para vc me chamar pelo nome de uma, nem vou ser, mesmo para voce. Ai a ficha caiu , eu te chamei de que? perguntei, no que ele confirmou o nome, não podia me enganar eu a desejava, eu queria que fosse ela a me chupar no lugar do Fernando ou mesmo do Márcio.

O Márcio me começou a cobrar a minha ausência ou as minhas desculpas de não mais me divertir com ele, claramente um dia fez uma crise de ciúmes, dizendo que eu o trocara pelo Fernando em certo ponto ate estava correto, mais era pq eu não mais deseja ser passivo nas relações e estava conseguindo também me aproximar mais da minha paixão adolescente, num dia após a alta voltando para casa na porta dela , consegui vencer uma barreira de medo e desejo e tentei beija la , ao que fui correspondido, e me senti nas nuvens , algo que nunca tinha sentido antes, era maior e melhor que a sensação de orgasmo que já tiver ate agora.

o beijo passou a ser diário, não mais ser na ida ou vinda do colégio, passamos a nos ver em outros momentos e fins de semana, O Fernando sofria ainda nas minhas mãos , pois era ele em que eu descontava a vontade de ter prazer que ainda não tinha com ela, apesar de nosso namorico estar se tornado mais ousado , com ela já permitindo que a apalpasse nos seios e na bunda, e ela gostava das encoxadas que davamos as escondidas. mas eu precisava gozar , e era ali que o Fernando. E o Márcio a minha volta revoltado pois não o procurava mais, eu então sentei e como amigo que sempre fui , disse a pura verdade, que estava de namoro com uma menina , que ele sabia quem era , já nos tinha visto juntos inclusive, e que eu não mais ficava a vontade de ser passivo na relações, fazia pois era uma relação de troca , e que agora eu conseguia ter prazer sendo apenas o ativo na relação, que se ele quisesse ainda que algo acontecesse entre nos dois teria de aceitar essa mudança , ou eu poderia levar o Fernando, que com certeza toparia ser passivo para ele. Ele ficou de pensar e daria uma resposta, esse saira da conversa revoltado, como se estivesse sendo traido, embora nunca nada alem de cumplicidade tenha sido prometido, não existia nenhum romance ou traição real ali, só a traição de não fazer com mais ninguém, coisa que realmente havia quebrado a promessa.

O namoro por sua vez tomava força e apoio, a mãe dela um dia nos pegou aos beijos e expressou felicidade ao saber por ela que já estávamos “namorando” a alguns meses, assim como meus pais , já que era impossível negar , pois ficávamos juntos o tempo que podíamos.

Ela por sua vez já permitia eu a tocar intimamente , aprendi a chupar seus mamilos de uma forma prazerosa para ela, assim como a tocar e ter a minha mão guiada a uma pequena protuberância, que vim a descobrir que era seu clitóris e onde após a estimular ela gozava , assim como passei a gozar com ela me masturbando.

Passei então a descobrir algo inteiramente novo, não existia momento que não a deseja se ter e gozar para ela. e ela de me querer, um dia passado alguns dias do meu aniversário, ela ficou sozinha em casa e pediu vem pra ca ficar comigo namorando, e naquele dia , ela e eu começamos a praticar sexo oral um no outro, ainda sem muita experiência onde era o tal clitóris , aquele total desconhecido, ao qual eu deveria dar atenção e ela com cuidado com os dentes, eu também consegui naquele dia a sodomizar, ela não podia perder ainda o cabaço, pois éramos muito novos e o medo de gravidez dela, do pai e da mãe dela se descobrissem era muito, mais eu já sabia a forma de contornar essa situação, e a prática que eu tivera em anos praticando no Márcio e ate no Fernando, serviram para eu a ter, ela gostar e passarmos a praticar isso sempre que podíamos , ate o dia que ela perdeu a virgindade comigo, e anos depois eu e ela passamos a dormir juntos diariamente, ate que depois de formado na faculdade e ela terminando a dela alugamos um canto só nosso e fomos morar juntos.

O Fernando passou a ter apenas o Felipe como parceiro sexual único já que eu me satisfazia e só me interessava na minha namorada qual estava apaixonado.

O Márcio por sua vez , vendo que não teríamos mais a intimidade que tinhamos preferiu se afastar , indo por vontade própria morar com uma tia na Europa, e lá mais tarde assumiu se como homossexual, e quando voltou de lá preferiu apagar das suas memórias ou negar o que acontecera entre a gente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.