Pagando Boquete no desconhecido

Oi, gente, tudo certo? Eu sou Pedro, tenho 25 anos e estudo na Universidade Federal da Bahia (UFBA) aqui em Salvador. Tenho 1,77, 65 kgs e sou negro.
Ano passado, para ficar mais próximo da universidade, estava morando com o meu ex-namorado em uma casa do lado de meu Campus. Geralmente, ele saia às 13 e voltava entre 21 e 22 horas. Alguns dias eu ficava em casa o tempo todo e acabava indo para o portão para esperar por ele.


Em um desses dias, sem que eu estava com um fogo particularmente alto, enquanto eu esperava pelo meu namorado, passa um moço de bicicleta pela frente do portão. Negro, alto, entre 35 e 40 anos. Ele, cujo nome nunca soube, para, dá boa noite e pede um pouco de água. Entro para buscar, mas, como a casa fica um pouco distante do portão, resolvo convidar o cara para vir comigo pegar. Apesar de estar com um short super curto que mostrava minhas pernas que são, modéstia a parte, bem gostosinhas, não maldei de imediato.
Já na parte de dentro, em frente à minha casa (onde morava, era uma pequena vila com 5 casas), enquanto estou pegando a água, vejo pela janela que ele tirou a camisa e admirava a vista que eu tinha.
Ele: – Nunca imaginei que aqui tinha tanto espaço.
Eu: – Pois é, As pessoas geralmente ficam surpresas mesmo.
Engatamos em uma rápida conversa. Aproveitei que ele tinha entrado e perguntei se ele curtia fumar 1. Ele perguntou se eu tinha e eu assenti. Bolei um beck e começamos a fumar. Meu pau, por baixo do short, já estava duro feito pedra. Ele me contou que era aniversário dele e que tinha ido ao bar no bairro do lado para beber com uns amigos. Então, ele pega no pau por cima da bermuda tactel que estava vestido, falando:
– Tava tentando me divertir ali, mas acho que bebi demais. Várias amigas tentaram me animar e nem rolou.
Fiquei curioso e comecei a incitar ele:
– Mas já tá assim difícil subir?
Ele ri e fala:
– Rapaz, nem tá. Às vezes, como uns caras também e fica duro como pedra.
– Então você come caras também?
– É sim. E por que você tá assim?
– Assim como?
– Excitado.
Ao falar isso, ele pega em meu pau, o coloca para fora e começa a punhetar. Com medo de meu namorado chegar, chamo ele para entrar na casa do lado, que à época estava vazia. Lá, ele bota o pau meia-bomba para fora e diz:
– Rapaz, não garanto que vá subir, mas vai aí.
Como o local estava escuro, não tinha muita ideia do que me esperava. Achei que estivesse dura pelo tamanho e grossura da silhueta no escuro, mas ao pegar percebi que ainda estava crescendo. O pau parecia ser bem grande e grosso, desde já. Ele dá uma risada e ordena:
– Chupa aí, viadinho.
Comecei a fazer o melhor boquete que eu consegui, pois era realmente bem grande e grossa aquela vara e mal cabia em minha boca. Para minha alegria, sentia o pau endurecer em minha boca enquanto ele continua falando:
– Vai chupar bastante essa rola, vai? Vai virar minha putinha, vai? Vai me dar bastante esse cu, hein?
Então, ele começou a foder minha boca como se fosse uma boceta enquanto falava todas essas coisas. O tesão era tanto que eu estava prestes a gozar sem nem encostar em meu pau. Depois de 5 ou 10 minutos, ele geme mais forte enquanto o seu pau dava espasmos quase em minha garganta.
Rapidamente, quando acabo de limpar seu pau, ele coloca suas roupas e brinca:
– Quem diria que eu queria água e ainda dei uma gozada. Parabéns, moleque. Muitas tentaram, mas só você conseguiu.
Dei uma risada e o acompanhei até a porta.

Se for de Salvador, vamos marcar uma fodinha de leve. Se for mavambo, ganha prioridade.
Espero que tenha ficado bom. Leiam, votem, comentem, compartilhem e gozem! 😀

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.