Sexo com o meu padrasto

Quando era adolescente meus pais se separaram e pouco tempo depois minha mãe começou a namorar com o Marcelo, desde o início sempre o achei um homem bem sexy, ele é alto, másculo, pêlos no peito e na perna, olhos e cabelos castanhos e um cavanhaque que o deixa simplesmente incrível.
Ele sempre foi muito legal comigo, até mais que o meu pai, sempre fez minhas vontades e dificilmente eu o vi de mau humor.
Certo dia fomos viajar nós três, como minha mãe adora praia decidimos ir para Maresias e alugamos uma casa bem legal para passar uns dias, no segundo dia que estávamos na casa minha mãe recebe uma ligação da minha tia dizendo que o meu primo tinha tido uns problemas com a polícia e estava preso, como minha mãe é advogada ela foi correndo para São Paulo para ver o que havia acontecido e tentar ajudá-lo, meu padrasto até se ofereceu para acompanhá-la mas ela não aceitou, pediu para ele ficar na casa comigo. Provavelmente ela resolveria a situação e voltaria no dia seguinte de manhã.
Minha mãe partiu para São Paulo e eu fiquei só com o Marcelo, durante o dia foi ótimo, curtimos a praia, almoçamos, jogamos baralho e a noite ele me pediu para pegar umas roupas sujas que estavam no quarto dele para lavar, fui até o quarto e peguei as tais roupas que eram para serem lavadas, no cesto de roupas sujas vi uma cueca dele, não me contive e fui cheirá-la, percebi que a cueca estava suja de porra, o Marcelo tinha se masturbado e limpado aquela porra na cueca dele, cheirei e aquilo me deu um tesão danado, aquele cheiro de suor de macho misturado com porra me deixou louco!
Levei as roupas para ele lavar e disse que iria me deitar pois estava cansado, mal ele sabia que a cueca dele estava no meu bolso rs, corri para o meu quarto, deitei na cama e comecei a cheirar aquela cueca deliciosa enquanto me masturbava e imaginava aquele homem me comendo, estava tão hipnotizado e excitado com aquele cheiro que nem percebi quando ele abriu a porta do meu quarto e me pegou batendo uma punheta com a cueca dele na minha cara.
– Ops, cheguei numa hora imprópria, disse o Marcelo
Eu pulei da cama, subi meu shorts e fiquei vermelho de vergonha, afinal ele tinha me pego no flagra.
– Não é nada Marcelo, desculpa
– Não queria incomodar, só vim perguntar se você sabia onde estava minha cueca branca, mas pelo jeito está com você né? e sorriu
– Sim, desculpa novamente, e entreguei a cueca a ele.
– Você se excitou com o cheiro do meu pinto?
– Não, foi um mal entendido Marcelo!
Nesse momento ele apalpou o caralho por cima do shorts e disse.
– Eu te entendo, se precisar de alguma coisa é só falar, e deu uma piscadinha para mim.
Eu não acreditei no que tinha visto, será que o meu padrasto estava afim de mim? E se estivesse como eu me sentiria sabendo que estava traindo minha mãe? Ele fechou a porta do meu quarto e me deixou sozinho. Durante a noite não conseguia dormir pensando naquilo tudo, por um lado queria muito ele, mas por outro não queria trair minha mãe, a excitação falou mais alto, respirei fundo e fui até o quarto dele, durante o percurso até o quarto dele meu coração estava disparado, parecia que ia sair pela garganta, mas mesmo assim eu prossegui. Abri a porta do quarto e ele estava dormindo só de cueca samba canção, me deitei ao seu lado e coloquei minha cabeça em seu peito, sentia seu coração bater.
Nesse momento ele acordou e começou a me fazer cafuné na cabeça, eu deslizava minhas mãos sobre seu peito forte e peludo, ficamos assim por um tempo, depois comecei a lamber seus mamilos, aquilo o fez delirar, sentia o quão prazeroso estava para ele, desci minha língua e lambi todo seu peito e barriga, abaixei sua cueca e já saltou um caralho grosso e pentelhudo pronto para ser mamado, cai de boca e comecei a mamar aquele cacetão feito um bezerro na mamadeira, nesse momento entendi quando minha mãe comentou com uma amiga dela que não conseguiria fazer sexo anal com o Marcelo, o pau dele era destruidor.
Enquanto eu chupava aquele pauzão eu acariciava seu saco peludo enquanto ele se contorcia de tesão na cama, por mim eu mamaria aquela piroca por horas sem reclamar, mas passado um tempo ele se levantou, me virou de bruços e meteu língua no meu cu.
– Ahhhhh que tesão Marcelo, chupa meu cuzinho
Ele não falava nada, apenas abocanhava meu cuzinho com todo o prazer, lambia, enfiava a língua na portinha, mordia minha bunda e me fazia gemer.
– Isso, assim, não para não!
E o Marcelo não parava mesmo, depois de um tempo ele se deitou sobre mim e senti aquela jeba querendo entrar no meu cu, ele cuspiu nos dedos e melou o pau dele e o meu cuzinho. Segurou meu braços com força e começou a enfiar aquele pauzão no meu cu.
– Ahhhhhhhhh, para Marcelo, está doendo!
– Shhhhhhhhhiu, não faz barulho, morda o travesseiro, essa dor é só no começo, depois passa.
Eu mordi o travesseiro, fechei os olhos e senti aquele caralho me arregaçar enquanto ele segurava com força meus braços. Ele ficou parado um tempo para eu me acostumar com a piroca dele dentro de mim, depois começou a enfiar e tirar bem devagar, ainda sim estava ardendo e dolorido, o ritmo das estocadas no meu cu foram aumentando e ele mandando bala no meu cu enquanto eu mordia o travesseiro para suportar a dor.
Meteu em mim por muito tempo e depois cochichou no meu ouvido.
– Eu vou gozar!
– Goza, goza logo!
Senti o pau dele dilatar ainda mais e vários jatos de porra dentro do meu cu, ele gozou e caiu sobre mim exausto. Eu senti aquele homão em cima de mim me abraçando e beijando minha nuca, depois de uns minutos ele adormeceu sobre mim e eu pude sentir o pau dele murchar dentro do meu cu. Empurrei ele para o lado e fui ao banheiro me limpar, a porra dele escorria do meu cu para as minhas pernas, estava com o cu arregaçado por aquele homem.
Fui dormir no meu quarto e tentar esquecer tudo o que havia acontecido. Na manhã seguinte acordo com o Marcelo enfiando a piroca dele na minha boca, me assustei e dei um pulo para trás.
– Hahahaha, vim te trazer leitinho na cama filhão! Toma, chupa esse caralho igual você fez ontem.
– Eu não quero mais Marcelo, chega!
– Se não chupar eu conto pra sua mãe que te peguei cheirando minha cueca!
Eu não acreditei que ele estava fazendo aquilo comigo, que filho da puta! Fui em direção ao seu pau já meio duro e comecei a mamar, ele ficou de pé só recebendo meu boquete, depois de um tempo ele segurou minha cabeça contra o seu pau e eu senti as esporradas adentrando minha boca, não conseguia acreditar quanta porra aquele homem produzia, me engasguei e tentei cuspir, mas ele não deixou, a porra que escorreu no meu queixo ele limpou com os dedos e colocou de volta na minha boca, eu não queria engolir, então ele me deu um beijo e trocamos a porra, aquilo sim me deu muito tesão. Depois ele tirou minha cueca e começou a me masturbar de uma forma incrível, ele sabia o que estava fazendo.
– Ahhhhhh, eu vou gozar!
Eu gozei muito, foi incrível o quanto eu gozei também, ele sorriu para mim e disse.
– Vamos lá tomar o café da manhã filhão! daqui a pouco sua mãe chega.
Descemos e fomos tomar o café da manhã juntos, hora ou outra ele me dava selinhos e beijos, minha mãe chegou e perguntou como estávamos, ele disse que estávamos ótimo e eu havia me comportado muito bem.
Hoje em dia eu consigo falar sobre isso numa boa, minha mãe já não está mais com ele e não sinto mais remorso, mas a realidade é que após essa transa eu me mudei para a casa do meu pai, pois não conseguia conviver com ele e minha mãe sabendo o que tinha ocorrido entre nós, morria de medo da minha mãe descobrir ou dele tentar algo comigo novamente. Essa foi a primeira e última vez que trepei com o Marcelo, confesso que ainda me pego me masturbando vendo as fotos dele no Facebook e relembrando aquela noite que passei com ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.