Transei com o meu filho gay

Olá, o meu nome é André, tenho 51 anos e hoje vim contar um relato que aconteceu comigo.
Mateus é um rapaz de 20 anos e o mais jovem dos meus filhos. Apesar de ele ser maior de idade ele ainda vive comigo e com a minha esposa.

Mateus costuma passar os seus dias na cave/garagem da nossa casa, num quartinho de arrumações de jogando videogame ou apenas navegando na internet no computador de casa.

A um mês atraz a minha esposa teve de sair da cidade numa “viajem de negocios” onde teve que sair por 3 dias para poder fechar um negocio da companhia. Nesse dia eu tinha ido comprar ao café comprar jornal pela manha e encontrei uns amigos e decidi bater um papo, o Mateus estava no curso por isso eu não me preocupei muito em verificar se ele já estava em casa quando cheguei.

Mal cheguei a casa pousei o jornal na entrada, subi as escadas e decidi tomar um banho, tirei as minhas roupas, liguei a água e entrei para o chuveiro.
Enquanto tomava a ducha e me esfregava acabei ficando excitado, sou bissexual desde que me lembro e sempre me excitei com o meu proprio corpo, não sou marombado, não tenho musculos defenidos nem nada disso, apenas tenho um pouco de musculos peitorais, um pouco de barriga e apesar do meu pau não ser muito grande adoro as minhas bolas. Quando era jovem eu participava de maratonas amadoras e isso deu-me as pernas que tenho hoje de que ainda me orgulho.
Comecei a esfregar o meu corpo e a me sentir, decidi pegar no meu pau e bater uma punheta por um pouco. Sai do banho ainda de pau duro e decidi que ia bater uma enquanto o Mateus não voltava do curso. Peguei nas minhas roupas, no lubrificante e no meu brinquedinho e sai do quarto. Desci até a cave para ir colocar as minhas roupas no cesto da roupa suja que fica no quarto das arrumações onde o Mateus costuma estar. Abri a porta, mas quando entrei reparei que mateus estava lá no quarto, todo pelado, com uma perna em cima da mesa, batendo uma punheta e enfiando um dedo na bunda enquanto gemia.
Pensei em fingir que não vi nada e sair silenciosamente mas quando ia a executar o meu plano ele percebeu que eu estava la. Rapidamente ele retirou o dedo do cu, parou de se masturbar , minimizou a tela do que estava a ver no pc e me olhou nos olhos. Ficou um silencio estranho, sem nenhum de nós dizer nada. O meu pau que ainda estava duro da punheta agora estava prestes a rebentar. Ficamos a nos olhar nos olhos e eu comecei a me aproximar dele, pousei a roupa e tudo o resto que eu tinha comigo (o brinquedinho e o lubrificante que estavam bem escondidos dentro da roupa) em cima do cesto da roupa sem desviar os olhos dos dele e continuei avançando.
Parei na frente dele a uma distancia onde não nos podiamos tocar ainda. Ele me olhou debaixo a cima e depois olhou para o meu pau.
Ele nunca me tinha visto pelado e a ultima vez que eu o vi pelado foi quando lhe tinha de trocar as fraldas. Fiquei fascinado com o que ele cresceu. O seu corpo era magro, um pau grandinho, o meu devia medir uns 16cm mas o dele era uns 20cm, as bolas e as pernas dele eram perfeitas.
-Pa-Papai…
Disse ele, eu olhei ternamente para ele e disse:
-Shh… Calma filho
Aproximei-me um pouco e comecei acariciando a cabeça dele e passando a mão entre os seus cabelos e quando dei por isso ele se aproximou e começou chupando meu pau.
-Filho…
Senti como se algo estivesse errado mas não queria parar, os labios dele eram suaves e a lingua dele encantava o meu pau. Eu pensei em parar com aquilo aquilo mas o olhar dele mostrava desejo e parecia o estar deixando feliz então comecei a sentir-me melhor.
Os gemidos dele pareciam estar a pedir mais e mais então comecei a mover a minha anca e a foder aquela boquinha como se fosse uma buceta.
Ele colocou uma das suas mãos no pau e outra na minha anca e começou a chupar de prazer e bem fundo. Senti a barba dele esfregando em mim enquanto ele gemia.
-Nunca sua mãe me chupou tão bem.
Disse eu, ele sorriu para mim, tirou o pau da boca e disse:
-Então imagina o que você vai sentir depois do que vou fazer agora.
Ele esticou a lingua e lambeu o meu pau de um lado ao outro e chupou como chupa um pirulito com gosto. Tirou a boca novamente e desceu para as minhas bolas, começou a chupar elas e a bater uma punheta pra mim. O prazer so aumentava e eu começei a gemer. Ficamos nisto por um pouco e quando ele parou ele sorriu e se levantou.
Ele me olhou nos olhos e começou a me beijar de repente, o beijo dele era quente e frio, a sua lingua movia-se pela minha boca e a minha pela dele. A Boca dele tinha uma sabor incrivel. Coloquei uma mão nas costas dele e a outra na bunda e apertei, ele deu um gemidinho e eu comecei mordiscando o pescoço dele. Ele me abraçou forte.
-Papai,*hmm* podemos fazer algo diferente?
-Tipo o que filhão.
-Sexo de verdade,*gha* um enfiar no outro.
Sorri, e acenei de confirmação. Eu nunca tinha feito nada com outro homem de verdade, e agora podia ser o dia em que eu era fudido estava receoso mas entusiasmado ao mesmo tempo, mas mesmo assim perguntei:
-Mas quem fode quem?
-Papai, podemos fazer por turnos mas eu queria ser fudido por isso posso ser primeiro?
Antes disto eu não tinha pensado bem nisto mas era bem estranho que o meu filho, um cara gostoso de barba feita estava me pedindo para o foder. Decidi aceitar mas pedi para esperar um pouco. Fui no cesto da roupa, peguei o meu dildo e o lubrificante. Pisquei o olho para o meu filho e acenei como quem diz “me segue” e subimos para o meu quarto.

Deitei o meu filho na cama de cu levantado e perguntei:
-Você já fez anal antes?
Ele acenou um sinal de não e disse com a voz tremida:
-Apenas enfiei meus dedos.Vai ser a minha primeira vez.
Esfreguei a bunda dele e dei um tapinha, abri o lubrificante e coloquei nos meus dedos. Meti os dedos para dar uma lubrificadazinha e peguei no dildo, lubrifiquei-o tambem e comecei a meter lentamente
-Vou só alagar um pouquinho primeiro.
Ele gemia aos poucos e eu ficava louco ao ver aquele cuzinho depilado ali para mim.
Meti e tirei o dildo umas 3 vezes e pedi para ele se levantar. Passei um pouco de lubrificante no meu pau e botei o dildo apontado para o ar na cama. Subi na cama e comecei a sentar lentamente no pinto de borracha. Olhei para o meu filho enquanto o fazia e via o pau dele ficando louco e ele mordendo o proprio labio enquanto assistia. Chamei ele e pedi para ele se sentar no meu pau. Ele lentamente se sentou e deu umas gemidas tremidas e quando finalmente meteu tudo dentro olhou para mim e me beijou.
Comecei a subir e a descer, fodia o cuzinho dele enquanto o brinquedinho fodia o meu. Nunca uma foda me soube tão bem como aquela. Eu e ele gemiamos e ele pedia para eu foder mais rapido.
Eu peguei ele pelas pernas e fodi aquele cuzinho. Ele não parava de gemer e entre os gemidos ele me falava “Vai papai”, “Te amo”, “Me fode, vai” até que ele gritou “Pai, eu vou gozar!”. Eu inclinei ele e ele gozou pro seu proprio peito e um pouco pra sua propria cara. Retirei o meu pau do cuzinho dele e a pica de borracha do meu. Não sabia quem tinha o cuzinho mais molhado eu ou ele ai ele falou
-Papai, goza em mim porfavor.
-Não se preocupa eu trato de você filhão.
Passei o dedo pelo gozo e tentei pegar no maximo que pude e botei na boca do meu filho, beijei ele e coloquei a cabeça dele fora da cama. Peguei na cabeça dele como se fosse um cuzinho e comecei fudendo e dando umas estocadas. Denovo aquela sensação da barba dele roçar em mim me deixou super excitado e não tardou pouco gozei tudo la dentro. Ele deu uma engasgadinha mas depois começou a gemer de prazer.

Retirei o pinto da boca dele e ele se levantou. Começamos nos beijando e nos deitamos juntos pelados por um segundo, eu esticado com um braço na volta dele e outro atraz da cabeça e ele agarrado a mim.
Olhei para a cara dele e ele olhou para mim, lembrei do contacto visual que fizemos antes so que agora em vez de constrangimento eu sentia carinho e ternura
-Sabe filhão? Você tem os olhos de sua mãe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.