Uma foda totalmente no escuro

E aí galera, todos seguindo a quarentena a risca? Nesse tempo de tédio e falta do que fazer, resolvi relatar aqui mais algo que aconteceu, no começo desse ano.

Sete Sensações Anestésico

Estava eu de boa olhado esses apps de pegação que existe por aí, não uso foto no perfil, até que um rapaz me chamou, dizendo ter 24 anos, me mandando a foto do corpo dele. Branco, malhado, bem padrãozinho, típico menino rico com a vida ganha… na hora me veio uma sensação de já ter visto aquele corpo antes, tenho uma memória meio fotográfica, o cara tinha uma tatuagem no ombro esquerdo, e eu tinha certeza de já ter visto antes. Ele não quis mostrar

o rosto, e pediu que eu não mostrasse também, só quis ver meu corpo. Depois de papear um pouco, ele disse que tinha namorada, e que era “conhecido na cidade”, então não queria provas “do crime”. Mas eu tinha certeza que já tinha visto aquela tatuagem, e enquanto conversávamos, eu fuçava o Instagram pra ver se achava alguma coisa, até que descobri quem era, cidade pequena, “gente conhecida”, não foi muito difícil encontrar, e fiquei meio passado, não imaginava. Ele sugeriu de me passar o endereço dele, e deixar a porta aberta, mora sozinho.. facilitava, mas queria que fosse tudo escuro, pra eu chegar e já entrar, sem luz, sem um saber quem era o outro.. sem contato, sem telefones, e como eu já tinha certeza absoluta de quem era, pelas fotos e pela região de onde mora, acabei topando, mesmo sendo uma loucura.. afinal, nunca sabemos qual a intenção das pessoas. (Acho que eu não faria isso novamente, mesmo sabendo quem é)

Chegando la, totalmente no escuro, eu entrei meio perdido, pra ele acho que estava de boa por ele já estar no escuro me esperado, com o tempo a vista se acostuma… Ele se aproximou, pegou minha mão e colocou dentro da bermuda dele. Pude sentir sua rola quente, com a cabeça melada e pulsando na minha mão. Não era muito grande, devia ter uns 15, 16cm no máximo.. mas era um tesão. Depois de um tempo, eu massageando o pau dele, ele segurou no meu pescoço e me puxou para junto de seu corpo, que já estava sem camiseta, com um cheiro de homem enlouquecedor e me beijou. Aquilo dava um misto de medo, mas muito tesão.
Ficamos ali nos beijando por alguns minutos. A química entre nós foi muito forte. Ele já em estado de excitação enquanto eu dava alguns gemidos suaves entre uma mordida e outra em

sua boca. Para minha surpresa, ele tomou a iniciativa e começou a desabotoar minha camisa e lentamente ía beijando meu peito a cada botão aberto, até chegar à cintura. Até que abriu a minha calça e desceu ela. Usando a boca, ele foi retirando como podia a minha cueca até que a minha pika saltou bem dura diante dele. Estava toda melada e pronto para uso. Fechei os olhos e ele caiu de boca. Passou a língua por ele todo sem esquecer nem um local sequer. Enquanto isso eu me agarrava nos meus cabelos um pouco longos, ele dando lambidas lentas, foi limpando lentamente o mel, sugando até a base, e subindo até a cabeça me punhetando com a sua boca.

Após um tempo me chupando, ele me pegou pela mão me levou ao quarto, para ficarmos mais confortáveis. Isso tudo sem papo, nem ouvi a sua voz por nenhum segundo, e nem ele a minha. Ele se deitou na cama, e me puxou por cima, fui beijando e roçando minha barba por todo aquele corpo até chegar à sua virilha. Vocês sabem o poder de uma boa barba na virilha de alguém, né? É simplesmente fascinante. O garoto enlouqueceu. Quanto mais ele gemia, mais eu roçava a barba entre suas pernas enquanto chupava seu saco e linguava seu cuzinho que piscava na minha língua. Que garoto gostoso! Sentei-me no peito dele. Enquanto ele chupava meu pinto como um cachorro no cio, eu o masturbava com uma das mãos, virei-o de bruços e comecei a morder sua bunda. Linda, lisa e gostosa demais.

Até que ele me puxou pra deitar na cama, e veio por cima de mim, me deu um pacote de camisinha, abri, peguei uma, enquanto ele lambia meu saco, eu ia deslizando a camisinha sobre meu pau, eu ia a loucura. Ele veio por cima de mim e foi sentando no meu pau, deu um gemido e percebi que havia entrado a cabeça do meu pau. Eu sentia aquele cu bem apertado mastigando a minha rola, que pulsava bem dura enquanto ia entrando nele. Apertei os lábios e ele atolou todinho o meu pau no seu cuzinho, encostando os meus pentelhos na sua bunda. Ficou um minuto parado e começou a rebolar. Gemia, rebolava e sussurrava… Que delícia! Enquanto ele rebolava lentamente em meu pau, eu o masturbava. Comecei a bombar forte…

quanto mais força eu botava na metida, mais ele pedia leite… até que após um tempo metendo, não aguentei mais o tesão e acabei gozando enquanto urrava, até que ele sentindo meu pau engrossar mais no seu cuzinho, enquanto eu soltava meus jatos, ele começou jorrar porra em todo meu peito. Gozamos muito. O cheiro de macho suados e porra no quarto escuro era bom demais. Ficamos naquela posição mais algum tempo. Depois ele se deitou sobre a minha barriga toda gozada, num abraço quente e melado. Fui sentindo meu pau amolecer e saindo de dentro dele aos poucos, tirei a camisinha e ficamos longos 5 minutos colados pela porra dele, sem dizer uma palavra. Ele se levantou, pegou uma toalha pra eu limpar a minha barriga. Me vesti ainda no escuro, sem dizer uma palavra, demos um aperto de mão, e saí totalmente satisfeito.

Agora da uma puta vontade de fuder com ele novamente, mas não queria chegar assim do nada com um “e aí, lembra daquela noite..? pois é, era eu”, porque até então ele não sabe que antes de vê-lo eu já sabia quem iria encontrar, talvez ele já soubesse também, né… mas… rs.

Ae, quem curtiu e quiser ajudar com um voto, falar o que achou.. é bem vindo =)
quem quiser ler os contos anteriores também e falar no que a gente pode melhorar, tudo é válido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.